Arquivo do mês: fevereiro 2012

“Convivendo com a Limitação…”

“É graça divina começar bem. Graça maior persistir na caminhada certa. Mas a graça das graças é não desistir nunca. (Helder Câmara).”

A paz do Senhor a todos!

Espero que todos estejam bem, mas caso não estejam, torço profundamente para que inspirem-se na frase acima, assim como eu estou me inspirando agora.

Caso você esteja bem, leia novamente a frase acima, pois sei que quando estamos com as coisas em ordem, temos o costume de não dar muito atenção a algumas coisas (vamos lá, leia de novo).

Nesse instante estou deitado no sofá da sala de minha casa, com o pé esquerdo imobilizado. Não é nada demais, apenas uma ruptura de ligamento, após ter dado um jeito no pé (jogando futebol…kkk).

Estando nesta situação, vejo mais uma vez, que tenho muito que aprender. Noto que depender dos outros me deixa muito desconfortável. De fato é, mas tenho que admitir que todos nós dependemos de alguém.

Neste momento dependo muito dos meus pais e da minha noiva. (Obrigado pela vida deles, Senhor!).

Preciso falar de algo, que está além da minha pequenina limitação, pois como sabemos, existem inúmeras formas de sentirmo-nos limitados – fisicamente, mentalmente, psicologicamente e por que não, espiritualmente.

Deus tem me ensinado muito sobre como conviver com barreiras, sabendo que muitas eu mesmo crio.

Mas quando olho para o lado (algo importante de se fazer, para que vejamos o próximo), noto com “não tenho problemas”, se comparando a muitos outros casos.

A Bíblia fala de muitas pessoas que tinha em suas vidas, limitações de muitos gêneros. Alguns eram doentes, outros cegos, alguns cochos, paralíticos, possessos. Jesus curou a muitos, mas é interessante ver que em diversas ocasiões, a real limitação não era vista pela pessoa.

Em quantos momentos lemos algo parecido?

“Filho, os teus pecados estão perdoados…” (Marcos 2:5,11)

Nestes momentos, onde Jesus realiza um tipo específico de cura, a cura dos pecados, percebo que o que mais tornava aquela pessoa limitada, era seu pecado e não sua doença ou deficiência aparentes.

Hoje me sinto limitado pelo gesso, pela ruptura dos ligamentos de um tornozelo, mas será que essa é a maior das minhas limitações?

Meu irmão, minha irmã, digo a seguir a sinceridade de um pecador a outro pecador:

“O pecado nos torna cegos, surdos, cochos, paralíticos e fatalmente limitados. Sem percebermos, podemos nos ver cercados por um muro, que ao invés de nos proteger, nos torno prisioneiros”.

Espera que eu diga-te a tempo, o que Deus talvez queira te dizer, mas caso eu não seja capaz, mas teu coração se permita, sei que Ele tornará possível mais esta cura.

“Não vim para os sãos; vim para os doentes” – assim disse Jesus.

Agraciados sãos os nossos irmãos, que mesmo diante das limitações, permanecem firmes na caminhada.

Sejamos imitadores destes, como foram estes de Paulo e este de Cristo!

É convivendo com a limitação, que aprendemos a pedir ajuda. Nem sempre se sabe, com quem iremos contar em um momento difícil, mas uma ajuda é sempre certa…

“Ele nunca disse que seria fácil, apenas disse que valeria a pena”.

Deixe um comentário

Arquivado em "Convivendo com a Limitação..."